É muito importante saber como valorizar a sua obra e como normalmente é avaliada uma obra de arte, esta avaliação em sua maioria se inicia pela craquelure, que é o padrão fino de rachaduras densas formadas na superfície dos materiais e pode ser induzido por secagem, envelhecimento natural, padronização intencional ou uma combinação dos três. O termo é mais frequentemente usado para se referir a têmpera ou pinturas a óleo, mas também pode se desenvolver em esculturas antigas de marfim ou em miniaturas pintadas em um suporte de marfim e outros.

Recentemente, a craquelure foi proposta como uma maneira de autenticar a arte, assim como outras características que se tornam uma assinatura do autor, tipo as pinceladas, carimbos, marcas d’água, pátina, assinatura, material de utilização comum e etc … Os especialistas do PRONEC, representam departamentos que vão de obras de artes de séculos atrás, assim como as atuais, onde cada qual revela exatamente as mesmas características que definem parte de sua identidade.

CERTIFICADO DE AUTENTICIDADE

Qualquer obra de arte seja para comercialização ou exposição no mercado nacional ou internacional deve ser associada com a qualidade, credibilidade e confiança por isto independentemente se você é autor, colecionador o simples proprietário de uma obra é altamente recomendável buscar uma certificação como forma de agregar valor. O PRONEC – Programa Nacional de Educação e Cultura é um órgão responsável pela homologação do processo de certificação de obras de artes e demais itens, onde agregamos valores para obras de arte atendendo e superando normas nacionais e internacionais considerando a segurança e valorização da produção artística e do profissional autor da obra, na emissão do CAP – Certificado de Autenticidade PRONEC em versões online e impressa com mídia digital atraindo clientes e seguidores.

PINTURAS DOS ANTIGOS MESTRES

As assinaturas de artistas tornaram-se particularmente predominantes durante o início do Renascimento, por volta do século XV, foi justamente nesse ponto que eles começaram a afirmar a sua criatividade e autonomia individuais em relação aos sistemas de alianças, pintando um nome, símbolo ou monograma no trabalho, demonstrando orgulho em sua criação.

Uma assinatura pode fazer mais do que simplesmente ajudar a confirmar a autoria de uma obra. O estilo da assinatura pode ser conferido com os do catálogo raisonné do artista ou através do perfil do mesmo com o PRONEC, onde uma assinatura também pode ajudar a diminuir a data de uma obra com base em sua evolução ao longo do tempo.

No entanto, nem sempre é tão simples. Artistas com grandes oficinas costumavam assinar trabalhos que foram parcialmente, ou às vezes totalmente pintados por seus assistentes, desde que atendessem aos seus padrões de qualidade.

Sabe-se também que os seguidores de artistas forjaram as assinaturas de mestres mais estabelecidos, e séculos depois as assinaturas foram adicionadas às vezes por aqueles que buscavam obter lucro. “É importante garantir que a assinatura esteja de acordo com a maneira conhecida de assinatura do artista, e que assente corretamente com a tinta original – não em cima da craquelure”. Esses fatores podem alterar drasticamente o valor de um trabalho.

SÃO PEDRO OBRA DE ARTE DE GERARD VAN HONTHORST

No exemplo mostrado acima, na certificação SÃO PEDRO OBRA DE ARTE DE GERARD VAN HONTHORST ⋆ CAP 96816661 reunimos os fatos e consideramos que Gerard van Honthorst, seria o autor da obra, mesmo não tendo assinado a mesma, onde quem assinou compreendeu erroneamente na intenção de apontar a autoria, veja mais como foi desafiadora esta autenticação no link da Certificação CAP

Assinatura atribuída ao Gerard van Honthorst sobre o craquelure

É evidente que, quem tentou assinar, quis expressar a assinatura no seguinte formato, possivelmente sem a intenção de falsificar, apenas com o intuito de fazer algo para a sua identificação, algo que o próprio autor deveria ter feito, assinado a obra, porém não o fez por estar em um período renascentista, sendo esta obra datada entre 1592 a 1656, tendo atualmente em 2019, data de sua certificação, mais de 363 anos.

PINTURAS CHINESAS

Nos últimos 1.500 anos de pintura e caligrafia chinesa, a reprodução de obras e até as assinaturas de mestres anteriores tem sido a base do desenvolvimento de um artista como resultado, trabalhos de datação e autenticação podem ser complicados.

Pintura em cerâmica Dinastia Han

No entanto, existem muitas pistas disponíveis para os olhos treinados de um especialista. Para a maioria dos artistas, o movimento habitual do pincel ao escrever caligrafia ou assinatura torna-se um movimento rápido e automático, onde os copistas são inevitavelmente mais lentos e menos confiantes, e você pode ver quando o pincel deles param ou de certa forma vacilam, como na grafologia que estuda a escrita de uma pessoa, de modo a identificar traços de sua personalidade, bem como seu caráter e possíveis distúrbios emocionais, porém nas obras de arte estas características se estendem em um todo, aumentando ainda mais a confiabilidade na autenticação da obra.

As marcas dos artistas são igualmente complexas, onde toda marca tem seus cortes e recortes visíveis sob exame minucioso e reproduzi-los perfeitamente é quase que impossível, acrescentando mas não subestimando. Os especialistas do PRONEC são treinados para reconhecer esses sinais indicadores, que são inestimáveis ​​na avaliação de uma pintura.

ESCULTURAS

Ao avaliarmos uma escultura, normalmente viramos a mesma de cabeça para baixo examinando a área que o artista não queria que fosse visto. Isso nos ajuda a dizer como, quando e onde foi feita. Sendo uma escultura de bronze, procuramos por uma cavidade, o que poderia sugerir que ela foi fundida usando a técnica inicial de cera perdida. Os bronzes do século XV, assim feitos, por exemplo, são muito mais espessos que os do século 18, porque o processo de fundição foi refinado ao longo dos anos.

Estatua equestre de Marco Aurelio Museus Capitolinos

O próximo passo é procurar áreas que possam ser menos oxidadas e, portanto, sem pátina. Aqui é mais fácil para determinar a liga do metal, que pode ajudar a identificar a origem da escultura e até o artista.

Fora isto, existem várias outras técnicas que podem ser variáveis de acordo com a escultura avaliada, tipo a cor avermelhada original do bronze interno significava que ele tinha um alto teor de cobre, típico das fundições florentinas da Renascença, entre outras evidências.

IMPRESSÕES

Uma das primeiras coisas que devemos fazer é segurar a impressão sob a luz para que possamos determinar em que tipo de papel ela é impressa. A partir do século XV, o “papel colocado” foi usado na Europa. Feito de polpa fina de linho, é reconhecível por suas linhas verticais e horizontais, feitas pelas peneiras de arame usadas para pressionar cada folha.

Produção de papel no século XV

Após a introdução do papel tradicional na década de 1750, que foi criado usando polpa de madeira e possui uma textura mais densa e uniforme, o mesmo tipo de papel que usamos hoje.

Segurar o papel contra a luz também ajuda a revelar marcas d’água – desenhos incolores impressos na folha quando ela foi feita.

Sabemos, por exemplo, que na década de 1630 Rembrandt às vezes usava papel com uma marca d’água. Além disso, para dar outro exemplo, que entre 1938 e 1939, Picasso publicou seu conjunto de 100 gravuras conhecidas como Suíte Vollard em papel especialmente encomendado na fábrica de Montval, perto de Paris, que apresentava suas próprias assinaturas e as de Vollard como marcas d’água. Portanto, catálogos com marcas d’água no papel usado por certos artistas são cruciais para ajudar a autenticar uma impressão.

ARTE MODERNA

A condição pode ser fundamental na avaliação de uma pintura. Se a pintura estiver em tela, verificamos se ela foi forrada o que significa que uma tela secundária foi anexada ao original para fornecer suporte e estabilidade adicionais. Se tiver, queremos saber o porque.

No campo especializado principalmente nas imagens britânicas do século XX, o revestimento é bastante incomum, porque as pinturas são, relativamente faladas, bastante novas. Mas se estiverem revestidas, pode ser para apoiar a tinta restaurada e reparar as rachaduras, ou para fortalecer a tela se ela estiver rasgada. Embora muitos revestimentos de tela sejam aplicados com muita sensibilidade, os revestimentos mais antigos podem achatar a superfície pintada de uma imagem.

Segundo nossa opinião o próximo passo é verificar as condições da obra sob luz ultravioleta. Os pigmentos aplicados mais recentemente na tela fluorescem, brilhando em púrpura, destacando áreas de restauração e retoques não visíveis a olho nu ou sob luz natural, mostrando diferenças gritantes na obra.

Cada vez mais, os colecionadores são sensíveis à condição. “Eles querem saber o máximo possível sobre a história de uma pintura e sobre qualquer trabalho realizado nela. Isso também pode ajudar a informar qualquer conservação que possa ser necessária no futuro, fato este que muitos colecionadores exigem a certificação CAP, pois somente ela pode registrar mantendo atualizados estes dados sobre cada obra registrada. A condição original e intocada é exatamente o que os colecionadores procuram e, sem dúvida, elevam o preço e valorização da obra.

ARTE CONTEMPORÂNEA E PÓS-GUERRA

Ao inspecionar pinturas, ficamos curiosos para ver o verso da obra, pois pode haver etiquetas antigas, carimbos, estêncil e notas no verso da tela e de sua maca. Eles dão pistas importantes sobre a proveniência da obra e a história da exposição.

Arte Contemporânea Pós-guerra12

Muitas vezes, essas etiquetas grudadas nas costas vêm de galerias que venderam a obra e, às vezes, colecionadores particulares têm seus próprios selos. Eles podem ser cruzados para rastrear a proveniência de uma pintura e ajudar a provar a sua autenticidade. Como exemplo no processo de emissão do CAP – Certificado de Autenticidade PRONEC o mesmo segue com um selo inviolável para ser aplicado na obra, evitando assim possíveis fraudes e apontando para a certificação CAP que fica permanentemente online para a comparação, avaliação e valorização da obra.

Com um pouco de sorte, haverá rótulos históricos de museus e exposições que exibiram a obra, que contribuem para a história da exposição e a literatura associada. Além disso, pode haver selos e números no quadro de autenticação de um artista, que são tranquilizadores para os colecionadores e podem aumentar a conveniência de uma obra.

É evidente que até mesmo estas etiquetas podem ser alvos de fraudes milionárias, porém além de etiquetas de museus e galerias, elas geralmente contêm notas precisas sobre os pigmentos e vernizes de cores que ele usou para a pintura . Se o trabalho precisar ser restaurado, isso pode ser mais do que útil e deve ser preservado.

About The Author

Leave a Reply

Your email address will not be published.