Leilão – Parece que os leilões tocaram quase todos os séculos, todas as indústrias e todas as nacionalidades, e essa lista que eu dei foi apenas uma pequena amostra. Os leilões remontam até agora na história, que ninguém realmente sabe com certeza como eles começaram ou quem começou com essa prática.

Os primeiros leilões
Registros a partir de antigos documentos de escritores gregos datam até 500 ac Naquela época, as mulheres eram leiloadas como esposas. E, na verdade, foi considerado ilegal permitir que uma filha fosse “vendida” fora do método do leilão.

Um método “descendente” foi usado para esses leilões, começando com um preço alto e indo mais baixo até que a primeira pessoa a licitar fosse o comprador, desde que o preço mínimo estabelecido pelo vendedor fosse cumprido. O comprador poderia obter um retorno de dinheiro se ele e sua nova esposa não se comportassem bem, mas, ao contrário de um cavalo, as donzelas não podiam ser “experimentadas” antes do leilão.

As mulheres com beleza especial estavam sujeitas à licitação mais vigorosa e os preços pagos eram elevados. Os proprietários das mulheres menos atraentes tiveram que adicionar dotes ou outras ofertas monetárias para fazer a venda.

Em Roma, Itália, em torno do tempo de Cristo, os leilões eram populares para propriedades familiares e para vender pilhagem de guerra. O imperador e filósofo romano Marcus Aurelius vendia móveis familiares em leilões, por meses, para sanar as dívidas.

Soldados romanos vendiam os saques de guerra em leilão. O leiloeiro licenciado, chamado “Magister Auctionarium”, conduzia uma lança no chão para iniciar o leilão. Hoje usamos um martelo no leilão.

Leilão Beneficente – Art Business

Leilões na América
Os leilões americanos datam da chegada dos peregrinos nas costas da América no século 16 e continuaram em popularidade durante a colonização com a venda de ripas, gado, ferramentas, tabaco, escravos e até fazendas inteiras. A venda em leilão foi o meio mais rápido e eficiente para converter ativos em dinheiro.

A pele era especialmente valiosa nesse tempo. Em seu livro, “Going, Going, Gone!”, Bellamy Partridge diz que “a Bíblia e o castor eram os pilares dos peregrinos, o Bom livro salvando suas almas e o castor pagando suas contas”.

Inicialmente, as peles eram compradas dos nativos americanos no outono e no inverno, utilizando o método de troca de “tratado privado” para “wampum” (a palavra nativa americana que significava dinheiro). Na primavera de cada ano, o método do leilão era usado para vender as peles cruas aos comerciantes europeus que organizaram a viagem transcontinental para o Velho Mundo. Uma vez que os navios voltaram para o porto na Europa, as peles  eram leiloados para fabricantes de diversas finalidades. O início do comércio de peles foi o principal responsável pelo assentamento e desenvolvimento da América do Norte.

Era da Guerra Civil
Na América do Norte um termo comum para definir um leiloeiro é coronel. É uma prática bastante comum, especialmente nas escolas de leilões em todo o país. Isso aconteceu durante a era da Guerra Civil, um momento em que os leilões começaram a florescer.

A história dizia que o leilão de arte era comum entre os coronéis que leiloavam objetos oriundos da guerra, apenas os oficiais da posição de Coronel podiam conduzi-los, gerando o uso do termo “Coronel” por muitos leiloeiros ainda hoje.

Uma breve narrativa histórica de uma das melhores escolas de leilões detalha esse processo: “À medida que a Guerra Civil progrediu, muitos batalhões de tropas conquistavam propriedade e objetos. O contrabando era coletado e levado para uma área específica e então o coronel ou comandante vendia em forma de leilão. Quem desse mais levava embora. Mesmo depois da Guerra Civil, os coronéis militares continuaram com essa prática e leiloeiros que eram apenas leiloeiros começaram a se vestir como coronel devido a associação de imagem. Uma prática abandona, mas que deixou estigma e até hoje um determinado público ainda reconhece o leiloeiro como coronel.

Outros nomes para leiloeiros

O coronel é apenas um nome que os leiloeiros foram identificados ao longo dos anos e basicamente na América do Norte. Outros nomes incluem “Cavaleiros do Martelo” e “Irmãos”. “As ferramentas desses leiloeiros incluíam o chapéu do Coronel, uma bengala, um sino, um martelo ou um martelo e uma bandeira vermelha. A bandeira, muitas vezes com publicidade, foi colocada acima, onde o leiloeiro venderia no dia do leilão.

Abertura de escolas de leilões

Muitas escolas de leilões começaram no início dos anos 1900 na América. A National School of Auctioneering e Oratory of Jones foi considerada a primeira. Foi iniciado pelo leiloeiro Carey M. Jones em Davenport, Iowa. Para o primeiro mandato, a escola promoveu “instrutores competentes ensinando leilões de mercadorias em geral, imobiliário e objetos fino”. No entanto, muitos leiloeiros naquela época não acreditavam que um leiloeiro pudesse ser “treinado”. Eles acreditavam que o leilão era uma habilidade natural que você já nasce com ela.

Desafios para os leiloeiros
Apesar de encontrar bens para vender não era um problema naqueles dias, os leiloeiros enfrentavam outros desafios. Não havia nenhum sistema de amplificação para suas vozes – sem microfones como os conhecemos hoje. Então eles tinham problemas para serem ouvidos e manter suas vozes intactas.

Como as viagens eram mais difíceis e eram principalmente de cavalos e vagões, os leiloeiros atraíam as multidões, oferecendo almoço rotineiramente para aqueles que vinham pra comprar. O tempo freqüentemente ditava o período do leilão que inicialmente era em ambiente aberto.

A Grande Depressão
O crescimento da indústria de leilões permaneceu até a Grande Depressão de 1929. Alguns leiloadores viajavam pelo país para liquidar fazendas cujas explorações haviam falhado devido à seca e ao fechamento de bancos. O declínio do leilão seguiu o clima econômico pobre e não se recuperou até depois da Segunda Guerra Mundial.

Pós guerra
O leilão voltou a funcionar no início de 1950 que houve uma movimentação financeira na venda de bens imobiliários. Havia uma necessidade, em certos casos, de liquidar imóveis e bens pessoais mais rapidamente do que o mercado privado permitiria. Assim, nasceu o leilão moderno. Os leiloeiros agora eram homens de negócios vestidos de ternos e gravatas. Eles começaram a cultivar o negócio e a aumentar a reputação dos leiloeiros. Além do público, os leiloeiros começaram a ter links para bancos, advogados, contadores, sistema judicial e agências governamentais.

A década de 1990 através de hoje

Durante a década de 1990, a tecnologia estava encontrando seu caminho no negócio de leilões. Os leiloeiros usavam computadores, aparelhos de fax, telefones celulares e outras tecnologias para fazer seus negócios funcionarem mais rápido e mais facilmente. Alguns leiloeiros começaram a tirar fotos de pequenos itens de leilão e projetá-los em grandes telas para que as multidões pudessem examinar mais de perto a mercadoria.

Os leilões explodiram no ciberespaço em meados da década. O eBay foi lançado em 1995 e passaria a se tornar um “líder online” no negócio de leilões.

Muitos leiloeiros hoje oferecem leilões ao vivo e on-line para atender às necessidades dos clientes próximos e distantes. A tecnologia permite que os compradores participem da venda sem sequer estar lá.

O Futuro do Leilão
Ao longo dos anos, o leilão progrediu e mudou, e hoje permanece mais popular do que nunca. Tudo pode ser vendido pelo método de leilão: antiguidades, utensílios domésticos, automóveis, terrenos, gado, casas, vestidos de designer, equipamentos empresariais e muito mais. E graças a organizações profissionais como a National Auctioneers Association , os leiloeiros tem disponível inúmeras oportunidades educacionais que os ajudam a manter a última tecnologia e a aprender novos traços comerciais. Eles se reúnem com outros leiloadores para trocar idéias e encontrar formas de continuar a atender às crescentes necessidades do público americano.

Atualmente, os leiloeiros estão trabalhando para obter designações especiais, como o Avaliador de Propriedade Pessoal de Pós-Graduação (GPPA), o Proprietário de Leilões Credenciados (AARE), o Instituto de Leiloeiros Certificados (CAI) e o Especialista em Patrimônio Certificado (CES). (Informe sobre as designações que você possui ou as classes que você tomou). Osleiloeiros da NAA também estão vinculados por um código de ética que protege os consumidores contra fraudes e práticas comerciais injustas.

Os leilões têm existido desde o início dos tempos porque são uma ferramenta de negócios altamente eficiente e efetiva e atendem as necessidades do público. Mas, eles também são divertidos e teatrais. A maioria das pessoas que participam de um leilão continuam querendo voltar novamente e novamente.

Leave a Reply

Your email address will not be published.