Dólar nas alturas e economia brasileira instável são bons motivos para se pensar em levar sua arte para além das fronteiras. Mas, no entanto, é preciso cuidado, porque internacionalizar um projeto é um processo delicado e a iniciativa pode não ser um bom negócio para todo mundo.

Mas você sabe o que significa de fato internacionalizar um negócio? Trata-se do processo de expandir a atuação de um empreendimento para outros países. Isso pode ser uma simples exportação de produtos ou até mesmo a abertura de um ateliê fora do país.

Brasileiras no mundo

A Fundação Dom Cabral (FDC) elaborou o Ranking das Galerias Brasileiras 2017 e o Ranking de Internacionalização de Franquias Brasileiras. A pesquisa mostrou que essas galerias operam em 14 países, com destaque para os EUA, com 9 galerias.

Mas a América Latina também aparece na lista dos brasileiros para internacionalizar uma galeria. A principal razão disso é a proximidade geográfica. Nesse caso, o país mais procurado é a Argentina.

Como internacionalizar uma empresa

3 vantagens de internacionalizar uma galeria

Se você avaliar que o seu produto se enquadra no perfil daqueles possíveis de serem internacionalizados, certamente haverá ganhos com a iniciativa. Veja 3 exemplos:

Abertura de novos mercados

Aumente sua rede de prospecção

Ao internacionalizar, uma galeria o empreendedor pode expandir significativamente a sua área geográfica de atuação e adquirir novos consumidores, até mesmo com perfis diferentes daqueles do país de origem.

Outro ponto positivo é a possibilidade de ajustes sazonais entre os mercados de atuação. Isso significa que um período de baixas vendas em um país devido à estação do ano, por exemplo, pode ser superado com alto volume além das fronteiras.

Redução de custos

Redução de custo – Internacionalização

Muitos países oferecem redução de carga tributária e outros incentivos para galerias se instalarem no local. Em alguns segmentos, o próprio governo brasileiro dá uma mãozinha na exportação.

Aquisição de experiências

Não tenha dúvida. Se você decidir se aventurar no projeto de internacionalizar uma galeria, certamente irá adquirir experiência fantástica sobre mercado e estratégias em geral.

Como internacionalizar uma galeria

Exportar o produto de uma galeria não pode ser uma decisão impulsiva e impensada. Pelo contrário, exige planejamento e alguns cuidados relevantes para o sucesso da iniciativa. Veja o passo-a-passo:

1. Faça uma auto-análise

A primeira coisa a fazer é avaliar a capacidade de exportação da sua galeria e de adaptação do seu produto no mercado internacional.

2. Estude o mercado

Você precisa saber bem onde está pisando. Para isso, estude as galerias concorrentes e as particularidades do mercado em vista. Identifique os possíveis obstáculos e também as oportunidades. Avalie se o seu produto é interessante lá fora. Isso significa que ele tem que ser útil para as pessoas dos locais de destino.

3. Construa um plano de internacionalização

Target na internacionalização de uma galeria

Para internacionalizar uma galeria você precisa definir as metas a serem alcançadas e o orçamento necessário para tocar a iniciativa. Se você tem investidores, alinhe com eles as expectativas antes de avançar no projeto. Os objetivos de todos os envolvidos devem ser únicos e claros.

O seu plano deve constar, ainda, o mercado selecionado, os produtos que serão exportados, a persona, canais de distribuição, transporte e todos os demais detalhes de funcionamento. Pense, inclusive, na adaptação do seu mix de artes, porque é bem provável que você tenha que fazer alguns ajustes na curadoria do seu produto para atender o seu novo consumidor.

4.Defina o preço de exportação

Saber exatamente o preço de exportação é um fator determinante para o sucesso do seu negócio no exterior. Esse preço pode sofrer alteração em relação ao que é praticado no país de origem, uma vez que entram nos cálculos as particularidades do mercado escolhido.

Exemplos de alguns fatores que interferem nos preços são os custos de adaptações, marketing, seguros, moeda e câmbio, taxas de exportações, custos administrativos etc.

5. Estude e entenda bem as exigências legais

É claro que, se você vai internacionalizar uma galeria, é preciso ficar atento aos requisitos legais do local de destino. Alguns deles têm regras muito rígidas e excesso de burocracia.

Atente-se também às taxas/tarifas e documentação em geral, como as de exportação, transporte e aduaneiros.

Lembre-se que pequenas falhas, como na preparação dos documentos, por exemplo, podem atrasar todo o processo. Uma boa dica é buscar por assessoria especializada.

6. Resolva os obstáculos

Alguns exemplos de obstáculos ao se internacionalizar uma galeria são: alfandegários, limite de quantidade e certificações específicas. Você deve resolver todas essas questões antes de iniciar a comercialização do seu produto no exterior.

Todo cuidado é pouco nesse quesito, porque, mesmo com um bom planejamento, os obstáculos podem surgir e você deve estar preparado para resolvê-los rapidamente.

7. Acerte nas contratações

Escolha a dedo os funcionários que trabalharão para você, em especial, aquela pessoa que estará à frente do seu negócio no exterior.

Para internacionalizar uma galeria, uma boa dica é investir em um profissional local, de preferência, um empreendedor com perfil analítico e excelentes habilidades de relacionamento e lider

8. Fique de olho nos resultados

Acompanhe de perto os resultados da sua galeria no exterior. Faça ajustes no seu planejamento sempre que precisar, mas se as coisas não evoluírem como o planejado, não pense duas vezes em dar um passo atrás e encerrar o negócio por lá.

Então, se você está pensando em internacionalizar uma galeria, faça a coisa certa para comemorar o sucesso da sua empreitada.

ança. E invista em construir redes de contato relevantes.

Análise de dados na internacionalização de uma galeria

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.